Programa de Bolsas Fulbright é aposta ganha pelo Governo dos Açores, afirma Gui Menezes
DATA: 22 Julho, 2020 | HORA: 14:54

O Secretário do Mar, Ciência e Tecnologia afirmou hoje, em Ponta Delgada, que o programa de bolsas lançado pelo Governo dos Açores em parceria com a Comissão Fulbright é “uma aposta ganha”, considerando que houve jovens investigadores açorianos interessados em participar.

Gui Menezes falava na sessão de apresentação dos três projetos de bolsas de investigação selecionados no âmbito deste programa, criado no final do ano passado através de um protocolo entre o Governo dos Açores e a Comissão Fulbright.

Trata-se de um programa de bolsas de curta duração entre universidades e centros de investigação dos Estados Unidos da América e da Região, destinado a investigadores de pré-doutoramento de nacionalidade portuguesa e residentes no arquipélago.

No âmbito deste programa, três jovens investigadores açorianos, Catarina Ritter, Diogo Ferreira e Paulo Borges, vão poder desenvolver o seu trabalho em três universidades americanas.

Catarina Ritter desenvolverá o projeto ‘Anthropogenic impacts upon human arrival in the Azores archipelago identified using stable isotope and geochemical methods’ na Universidade de Pittsburgh, enquanto Diogo Neves Ferreira vai desenvolver o projeto ‘Energy conversion system for use in bidirectional flows and its method of operation’ no Instituto Virginia Tech.

Paulo Borges, responsável pelo projeto ‘Furthering the knowledge of hydrogeology, and improve the techniques of geophysics applied to hydrology’, vai desenvolver a sua investigação na Universidade do Arkansas.

“Depois das vossas apresentações ainda fiquei mais entusiasmado com o programa Fulbright, que espero que seja reforçado no futuro”, disse Gui Menezes, acrescentando que os projetos selecionados são “muito interessantes e diversificados e têm uma importância prática para os Açores”.

O titular da pasta da Ciência considerou que “este primeiro contacto com algumas das melhores universidades do mundo” nas áreas sobre as quais que se debruçam estes projetos “é fundamental para que o conhecimento seja revertido novamente para os Açores e para que estes jovens investigadores possam apoiar o desenvolvimento da Região”.

Gui Menezes afirmou que o programa de Bolsas Fulbright “marcou o início de um novo período de colaboração entre os Açores e os EUA na área da ciência”, acrescentando que “existe vontade e também a necessidade deste tipo de colaborações”.

O governante disse ainda que este programa “vai ao encontro” dos objetivos do Governo dos Açores no que respeita à promoção da internacionalização da Ciência que se faz na Região, através da colocação em universidades americanas e em centros de investigação de estudantes açorianos pós-graduados ou profissionais com formação avançada, ao mesmo tempo que o Sistema Científico e Tecnológico dos Açores acolhe também estudantes norte-americanos de pré-doutoramento.

Neste sentido, anunciou que será lançada em outubro a segunda edição do programa de Bolsas Fulbright, dirigidas a estudantes e investigadores americanos com pré-doutoramento.

O programa de Bolsas Fulbright representa um investimento de cerca de 182 mil euros por parte do Governo dos Açores.

Na sua intervenção, Gui Menezes referiu ainda outras iniciativas do Executivo açoriano que visam “captar novas oportunidades para o sistema científico regional, como é o caso do programa de mobilidade de estudantes ‘International Student Exchange Program UMass@Lowell’, que proporciona a mobilidade de estudantes da Região para a Universidade de Massachussets Lowell”.

Devido à pandemia de COVID-19, os cinco jovens selecionados foram impedidos de iniciar o programa de formação na UMass@Lowell, mas é expetável que este programa possa ser retomado durante o primeiro trimestre de 2021 e seja possível promover a participação de alunos açorianos em projetos de investigação a decorrer nos departamentos e laboratórios da Kennedy College of Sciences da Massachussets Lowell.


GaCS/GM